domingo, 23 de julho de 2017

O galo, a GNR, a vizinha e o advogado dela

O caso passa-se na localidade de Asseiceira, Tomar, e envolve um morador que tem um galo, a vizinha, a GNR e um advogado.

Manuel Amendoeira, emigrante, desde que regressou da Suíça depois de se reformar há dois anos, gosta de ter a sua criação de galinhas, meia dúzia, no quintal. A chefiar o galinheiro está um garboso galo que é o pomo da discórdia com uma vizinha, também ela emigrante na Suíça.
A questão é que o galo canta de madrugada, como é da sua natureza, mas a vizinha, quando está cá de férias, queixa-se que não consegue dormir mais, a partir do momento em que o galo começa a cantar, por volta das 5 ou 6 da madrugada, conforme seja verão ou inverno.
O conflito entre os vizinhos por causa do galo tem-se agravado, com a vizinha a exigir que Manuel Amendoeira mate o galináceo. Mas o dono e a sua mulher têm muita estima pelo animal e não lhes passa pela cabeça matar o galo. “Há de morrer de velho”, asseguram.
É tal o diferendo, que a vizinha chamou por duas vezes a GNR ao local e contratou um advogado para tratar do “bicudo” caso.
Conforme a GNR e o advogado puderam confirmar no galinheiro, não há maus cheiros no local e nada impede, em termos legais, que Manuel Amendoeira tenha a sua pequena criação de aves de capoeira. O único problema é mesmo o cantar madrugador do galo que exaspera a vizinha e não a deixa dormir.
Chamados ao escritório do advogado, os donos do galo, benevolentes e para tentar apaziguar o conflito de modo a que não chegasse ao tribunal, aceitaram recolher o galo ao fim do dia para que passe a noite fechado e só voltar a soltá-lo na capoeira de manhã.
Assim, o galo já canta um pouco mais tarde e a vizinha pode dormir mais algumas horas descansada.
                                         
                                           Texto publicado no jornal “O Templário” de 20-07-2017

7 comentários:

  1. Meu amigo eu tenho a 3 metros do meu quarto uma capoeira de uma vizinha que neste momento tem 3 galos e 20 galinhas agora veja o barulho que fazem.Creio que a autoridade não pode fazer nada,mas gostaria saber o que se vai passar.

    ResponderEliminar
  2. A justiça vai fazer o que sabe fazer de melhor... nada!

    ResponderEliminar
  3. Santa paciência com ser humano pobre galo que está meio desta discórdia certamente está senhora não tem vida própria para fazer queixa do pobre galo quer levar caso destes para tribunal até parece uma anedota )))))

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Deves ter uma vidinha santa. Gostava de ver se fosses tu a acordar todos os dias a essas horas da madrugada com o cacarejar do galo se também ias ter o mesmo comentário.

      Eliminar
  4. onde essa Senhora tem vivido toda a vida? no deserto?



    ResponderEliminar
  5. Coisa interessante, este caso.
    Solução nº 1
    Chamar o galo às autoridades e repreendê-lo severamente. Pode não ser muito legal, mas até o poderiam ameaçar com uma cabidela.
    Solução nº 2
    Colocar na capoeira do galo um relógio com as horas trocadas. Atrasadas 5 horas. Quando fossem 10 da manhã o galo lá iniciava a função.
    Mas cuidado|. Eu lembro-me que uma senhora lá da aldeia, perto dessa Asseiceira, não comeu uma certa canja porque o galito tinha cantado da parte da tarde. E isso dava azar.
    Muito complicados estes casos. Sobretudo se pensarmos nos contornos do mesmo. Veja-se:
    Uma senhora que se rebola com insónias na cama enquanto ouve um garboso macho a anunciar valente a sua entrada em função.
    It is un injustice, Yes it is.

    ResponderEliminar
  6. Nao quer galos a cantar? Vá para a cidade. Mas se calhar depois tinhamos de parar o trânsito na cidade até q a madame acordasse. Realmente a mentalidade destas pessoas....

    ResponderEliminar