quarta-feira, 19 de abril de 2017

Escola de condução condenada a indemnizar ex-diretor

O processo judicial que opunha o instrutor Amílcar Ferreira à escola de condução Estrela do Nabão, de Tomar, culminou no dia 12 de abril com a leitura da sentença que condenou a escola e deu razão ao diretor da escola.

Ao fim de 24 anos a trabalhar e a dirigir aquela escola de condução, Amílcar Ferreira foi alvo de rescisão unilateral de contrato em setembro do ano passado na sequência de divergências entre ambas as partes. Como diretor, Amílcar Ferreira entrou em choque com as donas da escola por não estarem a seguir as suas instruções e para proteger os alunos, ao ponto de ter de chamar a inspeção do IMT – Instituto de Mobilidade e Transportes.
O julgamento decorreu no dia 13 de março no tribunal de trabalho em Tomar, sendo ouvidas testemunhas de ambas as partes.
A decisão final foi a condenação da escola de condução a pagar a quantia de 26.568 euros mais as retribuições que o diretor deixou de auferir desde a data da sua saída da escola até ao trânsito em julgado da sentença a que acresce os respetivos juros, totalizando cerca de 35 mil euros.
A escola tem agora 20 dias para pagar este montante e Amílcar Ferreira está disposto a avançar com uma ação executiva para receber a indemnização definida pelo tribunal.
Com 53 anos e instrutor desde os 29, Amílcar Ferreira foi durante 24 anos diretor da escola de condução Estrela do Nabão, que funciona na rua Diogo de Arruda.

15 comentários:

  1. Quanto é que o tomarnarede ganhou por publicar esta notícia?

    ResponderEliminar
  2. desde que este individuo saiu da estrelas do nabao a escola tem funcionado muito melhor

    ResponderEliminar
  3. Tirem este artigo porque é uma vergonha

    ResponderEliminar
  4. Isto é que é jornalismo... nada imparcial... e é sempre bom que nem sequer tenham ouvido ambas as partes!

    ResponderEliminar
  5. O "Mam@r na Rede" está cada vez melhor...

    ResponderEliminar
  6. Um dia destes este blog começa a ser patrocinado pelas pastilhas Rennie, mas que grande azia.

    ResponderEliminar
  7. Em nome da isenção jornalística este blog devia tentar ouvir o lado da escola. É triste que mesmo blogues "independentes" publiquem noticias a mando de alguém. Neste caso sei, e toda a gente consegue perceber, que a noticia foi encomendada pelo "lesado", em mais uma tentativa de tentar fechar esta escola, e a médio prazo abrir uma em nome próprio.

    ResponderEliminar
  8. Tom@r na Rede, uma vergonha. Vem-nos habituando a uma total falta de imparcialidade... Nojento

    ResponderEliminar
  9. Cheira-me que este caso vai andar de recurso em recurso e nem daqui a 20 anos vai receber alguma coisa

    ResponderEliminar
  10. A notícia é baseada em factos e na sentença do tribunal. A escola pode sempre exercer o direito de resposta se considera que alguma informação está errada.

    ResponderEliminar
  11. Essa escola já deveria ter fechado. Não tem a mínima capacidade técnica, financeira e de licitude para estar aberta. Não tardará o seu encerramento. Se o Homem acionar a execução patrimonial ou pedir a insolvência, já era. Enfim previa-se este final trágico.

    ResponderEliminar
  12. Uma tristeza. Ou o imtt ou as finanças ou as dívidas, encerrarao a escola.

    ResponderEliminar
  13. Digam aos vossos mandantes...arranjem o dinheiro, em 30 dias tudo é executado. Estarei sempre ao lado dos PROFISSIONAIS, PAIS, ALUNOS E ENCARREGADOS DE EDUCAÇÃO.

    E aprendam a dar aulas, a não pedirem mil euros a quem quer fugir e claro o camião desde Setembro congelou...e paguem aos fornecedores todos. Coitado do mecânico QUATRO MIL....e as RENDAS?....

    Compreendo a vossa frustração, a Escola ás moscas, vou lá todos os dias ver, no meu tempo CHEIINHA, mesmo que as minhas decisões também não fossem as melhores... cheia de dívidas e abeira do abismo e puxem por mim, que vai o resto da vossa história...

    ResponderEliminar
  14. Caro amilcar, vá tomar um café. Em vez de andar a meses com ameaças chegue-se a frente e tome uma acção. O mais certo é a escola aderir a um PER e ter um perdão enorme de dívida e continuar a funcionar durante muitos anos

    ResponderEliminar